Ir para conteúdo
  • Cadastre-se

NicholasPufal

Membros
  • Total de itens

    1.213
  • Registrou-se em

  • Última visita

Tudo que NicholasPufal postou

  1. "Ruei Ben" seria o certo, analisando as palavras apenas.
  2. Isso não justifica o todo, lógico. Por exemplo: em engenharia de software existe um paradigma, uma boa prática para organização do app, que se chama MVC -> Model View Controller. Hoje em dia ele é praticamente default de qualquer framework que seja no mínimo bom. Desenvolver para iOS segue também esses moldes. Mas n entrando no lado técnico, o que significa na prática? Significa que vc pode muito bem mudar a interface do usuário, sem afetar os componentes internos do sistema. Ou seja, o designer faz o que saber fazer de melhor, e o programador idem. No caso de sites de banco, por exemplo, eu não vejo desculpa alguma. Claro que tem toda a história do sistema legado também, mas é algo que exige maior interação de usuários externos ao sistema, diferente de grandes corporações. Até pq eventualmente eles vão ter que sim reformular tudo para se enquadrar no mercado. Cada vez mais tudo está ficando na palma da mão do usuário. Cross-browser n é mais luxo, é obrigação. O Itaú foi o único banco que consegui usar tanto do Mac, Windows e iPhone. Banco do Brasil, Bradesco, Caixa me dão nos nervos. É realmente algo tosco.
  3. A regra é simples: se funciona, sim. No caso do IE6, desde o lançamento em 2001 que usam essa porcaria de browser. Já são 10 anos praticamente com ele. Felizmente, com Firefox e Chrome, muita coisa mudou, mas ainda assim é absurdo ver como tem gente que usa IE6. E n digo empresas, digo usuários comuns mesmo. Muita gente só saiu do "conforto" do IE6, quando viu que o YouTube exibia uma mensagem dizendo para atualizar - aí, pela necessidade, trocaram. Parabéns à Google que teve coragem de fazer isso. Conheço muito developer que ainda pensa em IE6 na hora de fazer um site, o que é absurdo. É melhor aproveitar e doutrinar o cliente sempre que possível. Eu n faço mais nada para IE6, apenas coloco a mensagem de que um update é necessário. Não tem sentido. E outra, HTML5, SVG e Javascript estão aí, cada vez mais presentes - vide tablets como o da HP, com webOS cujas apps vão ser desenvolvidas nessa linguagem. Cada vez mais linguagens para web são o futuro, pois geram as web apps, que com certeza vão ser mais e mais difundidas em tablets, smartphones, etc. Logo, um browser tem que se adaptar aos padrões ou cair fora mesmo.
  4. Sei que é meio foda dizer isso, mas: até que ponto isso é verdade ou é um boato podre lançado por alguém da concorrência na imprensa para fazer ações caírem? Sei lá, eu n duvido Mas se for verdade mesmo, o Jobs realmente tá MUITO magro. Muito mais magro do que na última Keynote.
  5. Muito estranho. Com 3 pessoas ele fica em branco. Com 1 ele abre no Preview. Matheus, tu lembra de ter mudado alguma config do teu Preview? Eu posso estar viajando muito, mas parece que a fonte que aparece no teu Preview, é diferente da fonte do PDF quando ele é aberto via Google Chrome - n sei se isso pode ter relação, ou não. Talvez o teu sistema operacional tenha uma fonte, que o dos demais não tem? Sei lá. Tô chutando mesmo, pq eu achei a fonte diferente - mesmo sabendo que um arquivo PDF seria uma espécie de "impressão sem impressora". Veja: http://cl.ly/4gDL
  6. Em TI se estudam SISTEMAS LEGADOS. São sistemas que por serem demasiadamente complexos, não são re-estruturados, tanto pelo custo que isso acarretaria, quando fatores como a indisponibilidade dele em uma migração, ou até mesmo quando a linguagem em que ele foi feito não é mais mantida, e simplesmente n tem mão-de-obra disponível para isso. Existem n fatores na real. Grandes empresas possuem sistemas ERP por exemplo, que cuidam de toda ela (contabilidade, estoque, financeiro, administrativo, pessoal, etc). Imagina trocar um sistema desses? Por isso que o Windows XP, em ambientes corporativos, ainda predomina - a razão é a mesma. Claro que isso também pode significar que o sistema pode ter sido mal estruturado, pois n foi pensado no futuro dele, na manutenabilidade, escalabilidade, etc. Quanto ao browser, dependendo como foi feita a programação em Javascript, HTML e afins, o IE 6 reconhece e browser modernos não. Isso é muito comum quando n existem padrões seguidos no código (vide W3C para infos). Aliás, é aí que entra a briga dos developers com o Internet Explorer: ele é um browser que n segue os padrões web. No IE9 a MS continua penando no erro. Eles criam testes próprios, e dizem que seguem, mas é mentira. A propriedade text-shadow do CSS3, por exemplo, MUITO difundida já na web, ainda n é suportada no IE9. Foda, né.
  7. Mas esse da HP tá animal... Eu achei muito bem pensado. Tb n tinha dado bola para ele, mas vejam: As notificações foram muito bem pensadas, e o lance de simplesmente jogar pra cima o app que vc quer fechar é excepcional. Muito mais funcional que o iPad nesses 2 aspectos. Gostei. Concorrência bacana. Só quero ver o preço...
  8. O problema tá no PDF. O Preview e ele n se dão bem. Aqui abriu com tudo em branco... Abrindo pelo PDF viewer do Google Chrome, abriu normal.
  9. Aqui não aparece, pois já tinha ele instalado. O meu (que é o antigo), tá meio bugado então cogito em comprar ele. Só n sei se o meu bug é resolvido (fica tudo branco as vezes, e tenho que fechar e abrir de novo)... Em termos de recursos, na verdade não tem vantagem nenhuma comprar (ainda). Só bug fixes pelo que andei lendo. Mais além vão implementar suporte à outros IMAPs, e n só Gmail. Mas só também. Alguém aí comprou?
  10. Isso tudo não é limitação não, wafi. Eu estou estudando Objective-C, para desenvolver apps para o iOS. A documentação da Apple é excelente. Na facul eu tive cadeiras com programação em C (que é uma linguagem de baixo nível), e fiquei abismado sobre o quanto que Objective-C não é tão dificil como esperado. Estou falando nisso, pq o principal concorrente, o Android, usa JAVA. JAVA é muito usada em sistemas bancários. É uma linguagem robusta também sim, mas não é nem perto do nível que é Objective-C. JAVA já possui um nível de abstração maior, ou seja, o programador já não mexe com a alocação de memória, pois tudo é feito via garbage collection - o JAVA cuida da alocação e release da memória utilizada. É aí que muitos developers defendem que Android é mais legal - o que é besteira - só pq além da linguagem de desenvolvimento ser mais conhecida e fácil de aprender, devices com Android são mais baratos e tem mais opção de escolha (vc pode começar a desenvolver com um Android de R$ 600,00 por exemplo). Vocês viram o que ocorreu logo que portaram o Angry Birds (se n me engano foi ele) para Android né? Desempenho péssimo. Lógico, visto que JAVA abstrai mais, o gerenciamento de memória para apps que requerem mais, fica defasado, acarretando em uma performance mais cretina. Não dá para esquecer que um celular tem muito menos memória e processador que um computador. Logo, a linguagem de programação precisa ter + performance, oferecer um nível mais baixo de programação. Só nesse ponto aqui eu já acho muito mais bem pensado o iPhone, iPad e similares. E a Apple fornece ferramentas muito completas aos desenvolvedores, enquanto o Android usa o... Eclipse?
  11. O maior gargalo do Air é o processador, e infelizmente não dá para fazer upgrade da memória pois ela é soldada. Então se for comprar Air, no mínimo com 4GB. 1.4GHz eu acho muito pouco para hoje em dia. Meu último note tinha 1.8GHz, Core 2 Duo, e já tava "ali". Eu ficaria com o MBP 13" para esse caso. Quando vê precisa usar algum software via máquina virtual, e é aí que a coisa aperta com esse processamento aí... Para softwares como Matlab, não precisa de nada demais. Eu já usei no passado ele - se for o mesmo q eu tô pensando, ele é antigo, não? Não é pq envolve Matemática que é o fim do mundo. O foda mesmo é 3D. 3D é inviável. O MatLab (suposto) que usei, não tinha nada disso. Se o processador fosse melhor, ficaria com o Air sem dúvidas, pois ele é insanamente mais portátil.
  12. Entendi agora a dica, rott. Eu nunca fiz nada disso em termos de rede. Quando precisei pingar era mais para ver a localidade onde os servers estavam, verificar se o datacenter era no BR ou nos USA, etc. A dica do DNS da Google é ótima então mesmo. Mas então, pelo Terminal eu acho mais tranqüilo pois é igual ao Windows: ping <IP_ou_URL> Dica talvez meio óbvia de se passar, mas não custa: o comando ping é útil para ver quais máquinas de uma rede estão ligadas. E só para complementar: quem quiser descobrir o seu ip da rede (local) via Terminal do Mac, basta digitar: ou ex: <interface> é a referência do dispositivo ao qual estamos conectados (acho que como regra en0 é conexão via cabo ethernet, e en1 é conectado via o Airport, isto é, WI-FI) o | grep 192 serve apenas para filtrar, dos resultados, os que possuem o número 192 - é opcional, e tem que saber com quais dígitos (3 primeiros) os IPs da rede começam. Ex: 192.168.1.101, 192.168.1.102, etc, neste caso.
  13. Hoje em dia isso não é mais tão realidade, vide os SSDs que estão vindo para notebook, a freqüência das memórias, capacidade dos notebooks, etc. Cada vez os componentes diminuem mais, e grandes capacidades de armazenamento e processamento, ocupam espaços pequenos. Desenvolvimento para web não requer muita coisa de uma máquina não. Nem mesmo o Flash é muito pesado. Um software realmente pesado - útil para se fazer benchmarks - é o Adobe After Effects. Vídeo sim usa muito da máquina. Ainda mais hoje em dia que se trabalha com Full HD. Coisas que necessitam ser renderizadas (vídeo, 3D e áudio) é que precisem de uma máquina forte. Aí sim tem que ver com carinho. Para programar para web, não precisa de um MBP. Código em PHP não precisa nem ser compilado, e sim é interpretado por um servidor web (Apache mais comum). Já para programar para iOS e Mac OS, você utiliza o simulador, faz builds... Não que isso requer uma máquina porrada, mas já é um degrau acima em nível de "uso" da máquina. Um MacMini, com 4GB de RAM para deixar vários apps abertos ao mesmo tempo sem ter nenhuma travadinha chata, já cumpre o papel MUITO bem para um desenvolvedor iOS. O que é relevante para analisar o conjunto é: - Vai renderizar áudio, vídeo ou 3D? - Vai ter muitas ferramentas abertas simultâneamente? - Vai ter uma máquina virtual instalada, rodando quando abertos vários softwares também? Dependendo da resposta, é interessante ver um SSD e/ou a possibilidade de mais ram (8GB). Um MBP 13'' roda absolutamente tranqüilo softwares para programação para iOS, web, etc. Só para efeito de comparação: eu tinha um Dell Vostro 1510, e rodei no último projeto que fiz: Flash CS3, Photoshop CS3, Notepad++, Apache, MySQL, Chrome com média de 8 abas abertas, Adobe Flex Builder. Ele era um Core 2 Duo 1.8GHz, 3GB RAM (n lembro freqüência, mas era podre), 250GB SATA 5400RPM e placa de vídeo on-board da Intel. Meu workflow tava bem legal. Sendo que isso n foi para web, e sim um aplicativo em AIR.
  14. Se vc for comprar SSD pela Apple, tá ralado mesmo. E cara, SSD tá MUITO caro ainda. É coisa para poucos. A menos que vc se contente com 60GB de SSD, terá que desembolsar uns R$ 1.500,00 por um espaço decente. (isso comprando por fora, e não via Apple) Acho que com uns R$ 1.500,00 se compra um de 256GB via Amazon (ou 320GB, não lembro mais, vi faz umas semanas atrás) 500GB tá distante da realidade para os mortais ainda, em nível de SSD... muito distante. Acho que nem até a metade do ano 500GB SSD vai estar em conta... Talvez no final do ano sim. Pense por volta de 256GB e espera uns meses aí, que deve ficar em conta. Alguns acreditam que a Apple vai por um SSD nos novos MBP. Talvez remover o drive ótico. Eu não acredito nisso, mas se quiser esperar para ver, são só mais uns 15 ou 20 dias pelos rumores
  15. Eu chuto que não é isso aí não. Aliás, qual o motivo concreto apra suspeitar que seja? A própria HP já fez um notebook tentando copiar a Apple, o design dos MBP. Isso para mim foi só um desenho genérico de propaganda, que apela para o design de um MBP, mas não deixa explícito que é ele - coisa comum em propagandas, o mesmo se faz com comerciais que envolvem carros, mas não querem mostrar o fabricante.
  16. Queria saber dos usuários do Tweetie: ele vem dando um bug onde fica não responsivo? É como se o app tivesse dado um freeze. No entanto, não aparece o Rainbow Wheel. Fica tudo normal, com o aplicativo sem responder a nada. Isso já me ocorreu umas 3 vezes. Tem que fechar e re-abrir ele. No Chrome (Dev Channel), meu Chrome fica as vezes sem exibir conteúdo feito em Flash. Fica o fundo transparente no lugar. As vezes funciona, as vezes não. O mesmo problema do Tweetie - de ficar sem responder, em algumas abas - ocorre nele. Achei que era do Mac OS X, mas só ocorre nesses dois softwares. Alguém compartilha?
  17. Mas isso não é apenas o DNS? O IP gerado pela sua conexão vai depender do provedor, não? O DNS é apenas para a resolução dos endereços das páginas. Para pingar o google ou qualquer site, basta por o domínio dele, não precisa do IP (da na mesma, mas o domínio é um "alias", e fica mais fácil gravar): ping google.com Lembrando que ping é o tempo de resposta da requisição - um servidor nos EUA, vai ter um ping muito maior do que um localizado no Brasil. Ping retorna "timed out" quando não existe o destino.
  18. Na verdade o tethering é qualquer meio de se conectar (via outro device) à conexão de um celular que possui internet. Personal Hotspot é tethering, mas é um tethering "novo". É uma evolução do tethering. Levando ao pé da letra, se retirar o recurso de tethering do telefone, não teria como ter o Personal Hotspot. PHS é uma forma de fazer o tethering. Mas ao falar eu também menciono o tethering "antigo" como apenas "tethering" as vezes também, por costume. A Wikipedia tem uma explicação tanto do termo "mobile hotspot" como de "tethering" no mesmo artigo: http://en.wikipedia.org/wiki/Tethering
  19. Pois é. O meu problema é que eu tenho mania de fazer vários "takes". Cada take é um vídeo - outro arquivo. Aí já viu né, esses 4min ficam por cada vídeo, e fica um saco esperar, pois provavelmente eu vou cortar um trecho daqui, dali, até montar o produto final. No passado eu tinha um programinha que fazia essa conversão, e depois eu só mandava pro iMovie ele convertido, e ficava um filé - não demorava nem 10seg, pois já estava convertido. O nome do programa é MPEGStreamClip, e é gratuito. Detalhe: é possível arrastar vários vídeos para dentro dele, converter eles para um determinado formato, e o resultado final é um vídeo apenas, com todos aqueles clips unidos em um arquivo só Na hora de importar no iMovie (mesmo nos casos de alguém como eu que tem vários takes/clips), entra tudo como sendo um, e agiliza bastante. Recomendo. Eu não sei pq o iMovie não tem uma maneira mais eficiente de converter Tudo isso que esse programa faz, a Apple poderia implementar na hora da importação. Mudou drasticamente aqui - lógico que a conversão nele demora um tempo tb, dependendo do vídeo, mas ainda é bem mais rápido.
  20. Isso aí não é uma opinião tua. É um conteúdo técnico. Todo mundo aqui sabe o que é tethering. E sabem que o PHS é uma evolução dele, afinal, tethering é compartilhar a conexão do celular. Me fala o por que tu acha que ainda vai ser essencial o tethering como era. Depois de ter o Personal Hotspot, qual a vantagem de usar a conexão via tethering antigo? Uma vez que o celular vai servir como um roteador, e pode compartilhar com mais computadores a mesma conexão, de forma muito mais simplificada do que com o tethering antigo? Tu entende do assunto. Quero ouvir a tua opinião, e não uma explicação que todo mundo conhece. Quero ver teu lado geek desabrochar Mostra pro mundo tudo o que tu sabe, afinal, isso aqui é um fórum de discussões, onde as pessoas trocam idéias e experiências. Quero ouvir a tua Então, sem rodeios, vamos lá: para que serve ainda o tethering antigo, visto o PHS fazer a mesma coisa de maneira melhor? Seja objetivo.
  21. jgDreilich, bacana essa tonalidade do wallpaper. Não sei se vc já sou Ubuntu? Lembra muito o estilo dele (pelo menos em versões mais antigas, o wallpaper default tinha cores assim, ficava com esse clima o desktop).
  22. Me diz qual vai continuar sendo a utilidade do tethering... Eu fiz uma pergunta. Contribua. Quero ouvir a sua opinião. Vai servir para algo depois deste recurso? Em que? Abraços
  23. haha eu ri da piada... Mas voltando. Matheus, não tem como postar algum código? Só lembrando que n se trabalha com variáveis neste caso, e sim com objetos. Vou dar um exemplo para ilustrar, retirado de um curso de Stanford: CalculatorBrain.h #import &lt;Foundation/Foundation.h&gt; @interface CalculatorBrain : NSObject { @private double operand; NSString * waitingOperation; double waitingOperand; } @property double operand; - (double)performOperation:(NSString *)operation; @end CalculatorBrain.m @implementation CalculatorBrain @synthesize operand; - (void)performWaitingOperation { if ([@"+" isEqual:waitingOperation]) { operand = waitingOperand + operand; } else if ([@"-" isEqual:waitingOperation]) { operand = waitingOperand - operand; } else if ([@"*" isEqual:waitingOperation]) { operand = waitingOperand * operand; } else if ([@"/" isEqual:waitingOperation]) { if (operand) { operand = waitingOperand / operand; } } } - (double)performOperation:(NSString *)operation { if ([operation isEqual:@"sqrt"]) { operand = sqrt(operand); } else { [self performWaitingOperation]; waitingOperation = operation; waitingOperand = operand; } return operand; } @end CalculatorViewController.h #import &lt;UIKit/UIKit.h&gt; #import "CalculatorBrain.h" @interface CalculatorViewController : UIViewController { IBOutlet UILabel * display; CalculatorBrain * brain; BOOL userIsInTheMiddleOfTypingANumber; } - (IBAction)digitPressed:(UIButton *)sender; - (IBAction)operationPressed:(UIButton *)sender; @end CalculatorViewController.m #import "CalculatorViewController.h" @interface CalculatorViewController() @property (readonly) CalculatorBrain * brain; @end @implementation CalculatorViewController //lazy instantiation pattern - (CalculatorBrain *)brain { if (!brain) { brain = [[CalculatorBrain alloc] init]; } return brain; } ... - (IBAction)operationPressed:(UIButton *)sender { if (userIsInTheMiddleOfTypingANumber) { [self brain].operand = [[display text] doubleValue]; userIsInTheMiddleOfTypingANumber = NO; } NSString *operation = [[sender titleLabel] text]; double result = [[self brain] performOperation:operation]; [display setText:[NSString stringWithFormat:@"%g", result]]; } @end Repara como ele faz para instanciar a classe CalculatorBrain dentro do view controller. Eu sei que o que vc quer não é exatamente isso, mas pelo que entendi pelo teu pseudo-código, precisa fazer um caminho similar antes de qualquer coisa. Acho que o exemplo ilustra bem como se trabalha nestes casos, onde existe a interface/implementation de algo, e se quer instanciar ela em outra classe (um controller no caso).
  24. h = header m = implementation Não sei se entendi, mas você não deveria fazer um import do teu x.h no y.h? E aí sim, definir uma propriedade (que vai ser um objeto) da tua classe que está no x.h No y.m, você implementaria esse objeto, alocaria e inicializaria ele. x.m é só a implementação da classe Você precisa criar uma instância dela no seu y.m, para assim poder trabalhar.
  25. Acho que nós entendemos flexibilidade de maneiras diferentes nesse contexto. Flexibilidade para mim, é poder ter uma ferramenta, e usar (ou não) em conjunto com outros recursos, sem que a minha máquina precise carregar algo complexo (como uma IDE), e eu vá usar apenas recursos básicos. É isso que eu quis dizer com flexibilidade. É ter o mínimo, e poder agregar outras coisas bacanas, conforme necessário - e não ter um todo, e ir usando apenas as partes. Talvez a maneira que eu tenha escrito pareceu meio "faça isso, que é o certo", mas não foi isso. É opinião pessoal minha mesmo, e com certeza as pessoas tem que experimentar e se adaptar ou não à uma forma de trabalho. Quanto ao XCode eu apenas quis dizer que está aplicado em um contexto que realmente tira vantagem do uso de uma IDE. Diferentemente de um PHP no Eclipse, por exemplo, onde (eu) acho inviável pelo tipo de linguagem que é. Mesmo que se use um framework c/ vários design patterns, POO, não é uma linguagem/ambiente (falando de maneira genérica mesmo) que vá extrair grande vantagem em ter algo pesado com o Eclipse para se trabalhar. XCode = foi feito com foco no desenvolvimento Mac OS/iOS, e por isso é tão bom, tão completo, e tão essencial. Flash Builder = foi feito para trabalhar com o Flex Framework, trabalhar com MXML, e por isso tb é tão completo, bem estruturado. Agora, Eclipse com PHP, pode agregar umas coisinhas aqui e ali, mas não foi feito para isso... Assim como IDEs de PHP, das muitas que já usei, vi que não resolvem realmente a vida do programador como faz o XCode no desenvolvimento para iOS, por exemplo. Não sei se eu me expliquei, ou me compliquei mais, mas reforço que é só uma opinião e respeito as demais. Não um evangelizador "anti-IDEs", se é que pareceu isso antes Apenas acho que tem horas q poder de fogo é essencial, e tem outras (q foi oq quis dizer) que não é. Em especial com linguagens ou contextos onde elas estão sendo aplicadas. Foi apenas uma opinião mesmo Edit: Ah, quando eu falei que não gosto XCode antes, eu quis dizer que n gosto dele para trabalhar com outras linguagens. Não no desenvolvimento para iOS. Deixando mais claro ainda: eu vejo gente que "coleciona" IDEs, e acho que o caminho não é por aí. Acho que isso resume.
×
×
  • Criar Novo...