Ir para conteúdo
  • Cadastre-se

Alan Leitão

Membros
  • Total de itens

    992
  • Registrou-se em

  • Última visita

  • Dias Ganhos

    9

Tudo que Alan Leitão postou

  1. Sugiro memórias OWC, Corsair, Kingston, Samsung, sempre nas especificações corretas do seu notebook. Acho que ele chega até 16 GB de RAM.
  2. Você está usando um sistema beta. Problemas e inconsistências podem ocorrer.
  3. Entendi o seu ponto de vista. Rapaz, minha utilização é para edição de imagens e sempre que estou perto de um monitor externo eu deixo a tela fechada e nunca tive problema. Já estou no terceiro Mac a até agora tudo legal. De qualquer forma, eu entendo que a Apple não tenha planejado esse tipo de uso.
  4. Rapaz, eu já tive uma experiência ruim com teclado de desktop nesse nível. Bom, um teclado de desktop é muito mais barato, então troquei, mas fiquei pensando se seria possível fazer o teclado antigo voltar a funcionar. Por incrível que possa parecer, depois de desmontar ele, remover a humidade e limpar, não é que o danado voltou a funcionar normalmente! Tente fazer isso para ver se funciona. Na pior das hipóteses você teria que substituir o teclado mesmo...
  5. Bom, vamos lá: Inicie o computador com um pendrive preparado com o sistema Após aparecer a tela de início, abrir o terminal digite o seguinte comando para verificar qual o disco do sistema: diskutil list Com esse comando o diskutil irá listar seu disco interno, o pendrive de boot e todas as partições. Em tese o seu HD interno deve ser o /dev/disk0 Nessa mesma tela digite: diskutil eraseDisk HFS+ "Macintosh HD" disk0 (se o seu HD for mesmo o disk0. Se for outro número, troque o 0 pelo número exibido) Após a formatação saia do terminal e inicie a instalação do OS X. Nos retorne o resultado.
  6. Tenta pelo terminal, no Google tem bastantes tutoriais ensinando a remover e recriar partições no OS X usando essa ferramenta. Tome cuidado apenas para identificar corretamente as partições e somente apagar aquelas que você quer remover e recriar.
  7. O cabo com todas as vias operando mas com problema de isolamento entre elas tem um efeito de interferência por indução eletromagnética. Essa indução pode causar inversão nos valores dos bits que trafegam nas vias e esses erros podem ser interpretados pelo sistema e tratados, baixando a performance, porém não é perfeito então não resolverá todos os problemas. Esse efeito é muito maior quando o fluxo de dados no cabo aumenta, por exemplo, quando usamos unidades muito rápidas. Os HDDs tem tempo de acesso muito baixo comparados com os SSDs então a freqüência no cabo SATA é menor, talvez ao ponto de não haver interferência eletromagnética ou que a mesma seja tão pouca que o sistema consegue se recuperar da falha com um simples retry. Foi baseado nisso que desconfiei do cabo, mas ainda há a dúvida de ser um problema na logic board (mais especificamente na solda da interface onde se conecta o cabo SATA). Então o ideal no caso seria testar o conjunto SSD + cabo SATA que funcionam normalmente em um computador no que está apresentando problemas.
  8. Era exatamente o que eu iria sugerir. Agora podemos ter duas vertentes de resultados: 1- trocar o cabo e tudo funcionar e 2- continuar o problema. Se funcionar com o cabo do computador antigo (já que são do mesmo modelo, devem ser compatíveis) terá que comprar um cabo novo para manter os dois computadores funcionando. Se ao trocar o problema continuar, aí a logic board pode estar com algum problema. Nos casos que presenciei de problemas semelhantes era apenas o cabo. Acredito que a troca dele resolverá o seu problema. Teste aí e nos retorne o resultado!
  9. Jorge, Peço desculpas. Eu pensei que o espaço era aberto. Na minha vã concepção estamos falando e ciência. Boa ciência é aquela que se corrige. Bons cientistas são aqueles que seguem alguns princípios como testar idéias através de experimentos e observações, desenvolver as idéias que passam no teste, rejeitar aquelas que não passam, seguir as evidências, questionar, não ignorar nenhum resultado e não usar o resultado para benefício próprio puro e simples. Se quem está testando, experimentando, não estiver aberto à todas as possibilidades, como o que parece o caso, o resultado sempre será catastrófico e tendencio, e isso para quem pretende ser um cientista é fatal. Conheço as mídias profissionais que você cita. O Panasonic P2 nasceu como cartões PCMCIA, migraram para SDHC e atualmente pode-se encontrar em SDXC. Eu trabalho numa empresa de mídia de TV bastante conhecida no país. O que eu mais ví nos meus 14 anos nessa empresa foram esses cartões pifarem. A uma taxa de substituição de pelo menos 10% deles ao ano. Isso mesmo, 10% de falhas ao ano. A Sony desenvolveu um novo (novo segundo a Sony é claro) tipo de cartão que resolveu chamar de SxS e que tem dois tipos: SxS-1 e SxS-Pro. A diferença? As NANDS usadas. O SxS-1 tem garantia de "apenas" 1000 gravações. O SxS-Pro são garantidos "lifetime". Preços? Cerca de 70% de diferença entre os valores. O que estamos comprando? Depois da péssima experiência de cartões defeituosos da Panasonic, estamos comprando os SxS-Pro. Em seis meses de teste de estresse e um ano e meio de utilização, nenhum cartão defeituoso. Como já disse antes, adoro soluções McGayver, gosto de testes e experimentações. Considero-me um cientista. Exatamente por isso não estou colocando barreiras para ninguém. Estou apenas incluindo mais uma variável na equação: confiabilidade. Obviamente por ser bem mais barato alguém pode chegar à conclusão, como o iphoner, que colocar tranqueiras lá não é problema. Se perder, baixa tudo outra vez. Simples. Olha, eu estava gostando da conversa. Acho que daqui pode sair sim uma solução barata que pode atender a utilização de quem quer apenas guardar dados não cruciais. Mas depois do seu comportamento completamente inesperado, onde parece que acha-se com a razão e não se questiona se a outra opinião tem alguma razão, prende-se na sua casca de conhecimento, percebo que o tópico realmente não é pra mim. Apesar do assunto ser interessante, de achar que minha contribuição como um observador externo, muito usado pela ciência, poderia fomentar as pessoas a pensar fora da caixa, em algo que não estava em voga no momento da idéia inicial. Usar links externos de propagandas de produtos para avalizar argumentos é fraco. Onde estão os datasheets das NANDS usadas nas memórias? Esses documentos é que provarão que a confiabilidade dos cartões é alta. Enfim, mara não me alongar, já que minha opinião foi excluída por você, desejo sorte para todos que estão aqui. Só não esqueçam dos backups.
  10. iphoner, Se não houver compromisso com a segurança dos dados, pode usar tranquilo!
  11. Jorge, Exatamente o ponto que queria chamar a atenção, a confiabilidade. Pelo que li no primeiro post do tópico, o Maganeses pretente usar de forma permanente, como um segundo "HD", um cartão SDXC conectado full time ao MacBook, o que na minha opinião é um risco com os dados lá armazenados. De início, a pretensão dele já descarta qualquer hardware adaptado para ler esses cartões pela SATA. Qualquer memória flash removível é feita para ter custo mais baixo (não à toa é bem mais barata do que SSDs na mesma capacidade), então a NAND usada não é capaz de muitas operações de gravação, algo entre 5k e 10k gravações por célula de memória, sendo que as muito boas giram em torno do valor mais alto. Um valor muito bom para usos como câmeras fotográficas, video games portáteis e etc, mas acho isso muito pouco para sistemas operacionais que teimam em acessar os dispositivos de armazenamento a todo instante. Um SSD dos mais baratos, com NAND de baixa qualidade permite pelo menos 100k gravações por célula de memória, 10 vezes mais gravações que um cartão SDXC de alta qualidade por exemplo. Mesmo com o sistema que permite a distribuição de gravação uniforme entre as células, onde todas são usadas pelo menos uma vez antes de gravar qualquer uma pela segunda vez, o cartão SDXC deixaria de funcionar em um prazo de vida útil 10 vezes menor e dependendo da utilização isso poderia acontecer em pouco tempo. Basta ter um arquivo de swap ali e ele vai para o saco rapidinho. A pior parte é que o cartão não avisa que vai pifar. Em um belo dia o usuário tentará acessar os dados e descobrirá, da pior forma possível, que não estão mais lá. Não será mais possível usar o cartão. Simples, melancólico e trágico. A performance (a taxa de leitura/gravação) nem é motivo de questionamento. Dependendo da controladora, da velocidade dos cartões e da quantidade deles dá pra chegar na performance de um SSD mid-high com apenas 4 cartões, mas a vida útil ainda assim seria 10 vezes menor, comparando a vida útil com um SSD low end. Comparando com um SSD mid-high, que pode chegar até a 500k gravações, a vida útil seria 50x menor... Manipular fisicamente os cartões é sim mais prático, devido ao seu tamanho diminuto e peso irrelevante. Concordo com isso. Agora, momento descontração total... Você acreditou mesmo nessa história do cara engolir um cartão de memória e ele sair intacto? Vamos entender melhor isso... Nosso corpo, para digerir os alimentos precisa "corroer" eles. O suco gástrico é rico em ácido clorídrico, composto este que como o nome diz é um ácido. Em baixa concentração é conhecido como ácido muriático. Ele é corrosivo. Como os cartões não são completamente selados, os contatos elétricos seriam oxidados com a liberação de produtos químicos no organismo. Não acho que seria bom para a saúde da pessoa e muito menos para a funcionalidade do cartão.
  12. Rapaz, particularmente eu não tenho nada na nuvem. Meus backups ficam em dois servidores dedicados à essa tarefa, um em casa e outro no trabalho. Ambos os servidores possuem espelhamento entre os discos então em caso de falhas em um dos discos, há outro reserva em cada máquina. Quanto ao HD Externo, também tenho medo porque porta USB ainda é uma porta de contato puro e simples sem travas ou proteções extras contra invasão de impurezas, que pode ter mau contato e surto elétrico. Confio, um pouco mais em HDD interno e SSD, mais no SSD, mesmo assim confio desconfiando. Quanto aos cartões, por mais que sejam bons (e existem muito bons mesmo) ainda assim o compromisso de confiabilidade é muito inferior.
  13. Concordo com o Mr_Phillip. No máximo, baterias da OWC ou iFixIt.
  14. Tião, essa informação me interessa! O seu antigo White com 16 Gb era o de 2009 ou o 2010?
  15. Rapaz, seguindo o padrão da indústria, qualquer SATA3 deveria funcionar bem, mas há relatados de algumas incompatibilidades por exemplo com a Kingston. Já o modelo que você vai escolher, isso vai depender do seu orçamento. Com certeza, o mais top que eu já usei em um MacBook Pro foi o Samsung 840 Pro, mas ele é bem caro. Tem outras opções mais baratas. Usei também durante um tempo um SanDisk Extreme III de 240 GB que nunca me deixou na mão. Funcionava muito bem e com performance bastante aceitável pelo preço dele. Dava uns 250 MB/s de escrita e uns 400 MB/s de leitura. Não esqueça de instalar o TRIM Enabler depois do upgrade para ativar o suporte ao TRIM no OS X com SSD não Apple.
  16. Mas se o SSD funcionava normalmente em um computador não há porque não funcionar no outro, concorda? E como o HDD é bem mais lento, a freqüência no cabo SATA é muito menor porque fluxo de dados é mais lento. Ainda assim testaria esse cabo, só por precaução. Vai que no futuro ele apresenta outros problemas?
  17. Jorge, Acho que você não entendeu o meu ponto de vista. Longe de discutir soluções de alto desempenho ou custo elevado, mas discutir dentro da idéia proposta no tópico a segurança e confiabilidade. Usei meu exemplo porque eu tenho no meu computador pessoal dados muito sensíveis e por isso mantenho sempre dois backups completos em locais fisicamente diferentes e atualizados diariamente, porém generalizando um pouco a questão, pense o quanto é desagradável para um usuário perder todas as fotos da festa de 1 ano do seu filho porque o cartão SD atingiu o número máximo de gravações/leituras e não é possível recuperar isso. Cartões de memória são muito bons para armazenar dados e guardar em gavetas, duram muito mais que CDs ou DVDs, mas usar eles ligados direto no computador, tendo acesso full time pelo sistema, lendo e gravando à todo instante, na minha opnião não é uma boa idéia, sem levar em consideração que, apesar da boa qualidade garantida pelos fabricantes dos leitores, ainda é uma conexão de contato puro e simples que pode, num pequeno esbarrão, parar de funcionar, dafinicar o cartão e corromper dados devido à um simples mau contato. Nenhum desses cartões tem a confiabilidade/durabilidade/possibilidades de leitura e gravação de um SSD ou mesmo de um HDD. Funcionam para a proposta? Sim, mas com o revés da baixa confiabilidade. Como já tinha exposto antes e, inclusive muito bem observado pelo Maganeses, nem posso cogitar a possibilidade e devo continuar com meu processo atual de backups diários como já descrito acima. Precisando de mais espaço, no meu caso seria mais seguro fazer o upgrade do SSD do meu computador por um com maior capacidade. Como profissional de TI, assim como você, meu único intuito foi alertar as pessoas interessadas que a solução proposta tem contras e um deles é algo que considero muito crítico: confiabilidade. Não gostaria de ver nenhum dos amigos foristas passar pelo infortúnio de perda de informações importantes no futuro. Achei apenas que valia o alerta para todos. Eu adoro soluções padrão McGayver, acho muito legal fazer algo que todos podem usar a um custo baixo, mas tem que ter um mínimo de confiabilidade ou então deixar claro que a proposta tem utilização muito restrita. Nesse caso, acho que é muito seguro usar essa solução para armazenar os programas no cartão e os dados na unidade interna do computador com backups frequentes através do Time Machine por exemplo. Caso haja problemas no cartão, os dados estão numa unidade mais confiável e somente seria necessário reinstalar os programas que os manipulam em um novo cartão. De qualquer forma, fica a sua dica para quem quiser se preparar para uma estrutura mais confiável e cara, que não é a proposta do tópico. Abraço.
  18. Maddo, concordo que a atualização não é obrigatória (e se caso eu usasse Windows também não faria devido ao alto preço das licenças) mas no comparativo, o iMac levaria vantagem por serem não obrigatórias também porém gratuitas atualmente. Concordo também que a queda de desempenho é relativa. Conheço um advogado que, trabalha no escritório com máquinas de pelo menos 5 anos e não pensa em trocar. Ele usa Windows XP + Word 2003 e nem pensa em trocar. Como o Alberto lá em cima não disse o perfil de utilização dele, acho que ele teria que fazer a comparação fria do preço do hardware, onde ainda assim, há uma pequena vantagem para o lado do iMac. Gostei da sua avaliação, bastante sensata, assim como a do Gustavo. Ambos tem bons argumentos para defender qualquer uma das escolhas. O importante pelo que estou vendo aqui será a preferência do Alberto e nesse quesito não há como opinarmos. Boas conversas aqui no fórum tem se tornado escassas e me orgulha muito participar dessa! Obrigado aos envolvidos.
  19. Como eu trabalho com dados sensíveis, naquele nível de comprometimento de ter que fazer backup diário, em dois lugares fisicamente diferentes, fico preocupado. Sofro do mesmo problema porque minha máquina só tem 512 GB de SSD e nem tenho como pensar em upgrade nos próximos 6 meses, mas ainda assim penso na possibilidade de perda de dados por fim da vida útil da flash, conectores não projetados para esse tipo de uso e possibilidade de remoção fácil causando corrupção. Uma flash removível tem, em média, possibilidade de 10.000 regravações das células. Isso acaba em dois tempos dependendo do fluxo de dados na memória. Já perdi dados com cartões de memória ditos confiáveis. Hoje não confio em mais nada. Backup diário em dois lugares fisicamente diferentes e nada em armazenamento removível na veia! kkkkkk
  20. Rapaz, não vou excluir a possibilidade do SSD, mas já tive exatamente esse tipo de problema em outros computadores. Devido à um problema no isolamento do cabo SATA (cabos de baixa qualidade ou danificados por algum motivo) ocorria sintomas parecidos com funcionamento normal em unidades lentas e quando fazia upgrade para unidades rápidas acontecia problemas de lentidão porque quando o sistema detectava inconsistências diminuía a performance para poder funcionar. Mas é só uma conjectura, não gosto de condenar nada sem testes específicos.
  21. Interessante isso. Também gostaria de saber o resultado.
  22. Rapaz, o Mac reconhece que a memória é 1,867 GHz porém trabalhará na frequência que o controlador de memória da CPU suportar. Como o amigo acima citou, basta consultar a sua CPU no site da Intel para confirmar.
  23. Para jogos eu pensaria em um aparelho com GPU dedicada... só por precaução! kkkkkk
  24. Só me preocupa o fato de que essas mídias flash removíveis tem quantidade de gravações/leitura muito menores do que um SSD. Eu ficaria muito temeroso pelos dados armazenados nelas nesse tipo de utilização. Funcionar, funciona. É seguro para os dados? Tenho minhas dúvidas...
×
×
  • Criar Novo...