Ir para conteúdo
  • Cadastre-se

José Luís de Freitas

Membros
  • Total de itens

    5
  • Registrou-se em

  • Última visita

Sobre José Luís de Freitas

  • Rank
    Estou chegando agora...
  • Data de Nascimento 19-07-1984

Profile Information

  • Sexo
    Masculino
  • Localização
    São Paulo
  • Interesses
    Tecnologia, Política, Legislação e Economia
  1. A pergunta é ótima, basta lembrar que foi o único modelo de smartphone descontinuado com menos de 12 meses de fabricação.
  2. Enviei um e-mail com detalhes para o Tim Cook e não obtive retorno. Copiei agora para o mhatch. Na segunda vou ligar e tentar falar com o suporte americano. --- Sobre o processo o CDC brasileiro garante conforme orientação de casos já julgados: O fornecedor nacional beneficia-se da marca mundialmente conhecida, valendo-se da maciça publicidade e credibilidade. Assim, a empresa brasileira, que representa a marca internacional, deverá reparar o produto adquirido no exterior, mesmo sem a garantia mundial, no prazo máximo de trinta dias corridos, contados a partir da data da reclamação. Vale acrescentar que, em abril de 2000, a Quarta Turma do Superior Tribunal de Justiça (STJ), no julgamento do Recurso Especial n. 63.981/SP, reconheceu a possibilidade do consumidor, que adquiriu produto no exterior, de exigir o reparo no Brasil em decorrência de vício (defeito) no produto. Em síntese, a decisão ressalta que o consumidor que adquire um produto fora do territorio nacional acredita que será atendido pela assistência técnica do fornecedor, sem ônus, por se tratar da mesma empresa. Decorridos os trinta dias, caso não seja possível o conserto, deverá ser observado o parágrafo 1º do artigo 18 do Código de Defesa do Consumidor, que dispõe: "Não sendo o vício sanado no prazo máximo de trinta dias, pode o consumidor exigir, alternativamente e à sua escolha: I - a substituição do produto por outro da mesma espécie, em perfeitas condições de uso; II - a restituição imediata da quantia paga, monetariamente atualizada, sem prejuízo de eventuais perdas e danos; III - o abatimento proporcional no preço".
  3. Caso seja real, o Brasil terá o vídeo game (PS4) e idevice mais caro do planeta no mesmo ano... Tá difícil Em termos de inclusão tecnológica isso é um pesadelo. Apenas uma elite social consegue usufruir de entretenimento e eletrônicos sofisticados. Enquanto caminhamos para os demais setores menosprezados e/ou esquecidos: Logística, Parques tecnológicos para pesquisar e fabricar chips e processadores. Seremos eternos dependentes de preços abusivos?
  4. Estou com a mesma crise de confiança na Apple que alguns membros do fórum. Mesmo aparelho, modelo 1429 e mesma resposta padrão dos atendentes. Uma delas inclusive me aconselhou a procurar um advogado. rs Até eles já se cansaram de ouvir as reclamações dos brasileiros que prestigiam a marca no exterior e quando aqui necessitam da garantia, nada é feito. Vergonhoso, em Londres a vendedora garantiu assistência no Brasil. A Fundação Procon já acionou a Apple e até hoje estou com meu aparelho estufado com risco eminente de explosão. E quando mais precisei me comunicar, período no qual minha avó estava internada o celular não funcionava mais. Sou cliente antigo, mas sinto-me menosprezado. A título de curiosidade experimente digitar Apple no site reclame aqui. O que acontece com o pós-venda é inaceitável. O Brasil não deve e não pode ser tratado como um País menos importante. Até porque temos leis que protegem e nos garantem o serviço por empresas do exterior com atuação em nosso território. Serão necessários quantos processos para a empresa melhorar o relacionamento conosco? A filial brasileira deveria no mínimo questionar as diretrizes da matriz e se adequar a legislação brasileira. Evitando assim prejuízo de imagem e perda de clientes. Poderiam compartilhar os contatos mais ágeis. Minha garantia expira em janeiro de 2014 e já fazem 60 dias que não consigo solucionar esse problema.
×
×
  • Criar Novo...