Ir para conteúdo
  • Cadastre-se

Renato Amorim

Membros
  • Total de itens

    14
  • Registrou-se em

  • Última visita

Sobre Renato Amorim

  • Rank
    Estou chegando agora...
  • Data de Nascimento 17-12-1978

Contact Methods

Profile Information

  • Sexo
    Masculino
  • Localização
    Aracaju-SE

Últimos Visitantes

905 visualizações
  1. Marcelino, Parabéns! Mais um final feliz graças à competência do Customer Relations da Apple USA. É isso ae...
  2. Mozart, Ligue pro Call Center da Apple e fale sobre isso, que tenho certeza de que eles devem te propor alguma coisa. No caso de Assistências Autorizadas, em alguns casos eles podem "emprestar" um laptop por alguns dias em caso de extrema necessidade. Explique detalhadamente todo o grau de necessidade de ter um computador em casa, que acho que eles podem resolver. Quando não se sentem hábeis a fazer isso, eles contactam o Level 2 nos EUA. Mas acho que seu caso, que é mais simples, deve ser resolvido pela Apple Brasil mesmo.
  3. Marcelino, Agora que terminei de ler sobre o seu caso. Bem, o meu - que envolve a agora enquadrada pela PF, MacBahia (contrabando) - está resolvido. Desde que Juliana assumiu o caso (não sei se é ela que cuida do seu caso nos EUA), se passaram cerca de 3 meses. Desse episódio comigo, aprendi duas coisas importantes: 1. Um endereço de e-mail vale por mil números de telefone. Quando você troca e-mail com o pessoal da Apple, a velocidade com que são acionados é impressionante, chegando muitas vezes a haver uma conversa em tempo real. A vantagem é que fica tudo registrado na sua máquina. Juliana também se prontificou a me ajudar em qualquer situação que envolva meus produtos Apple e que não seja resolvida pelas ATs do Brasil. Aos colegas que pediram o número de contato com os EUA, um alerta: há necessidade primeiramente de se abrir um protocolo de atendimento na Apple BR pra que o Customer Relations (CR) da Apple USA seja acionado e o atendimento brasileiro nos EUA entre em ação conosco. Antes mesmo disso, a postura do pessoal do Brasil também é bastante satisfatória dentro da esfera de ação deles, que eu creio que não inclua troca de produtos fora da garantia, "prêmios de consolação" e etc. Isso fica a cargo de quem tem mais autonomia na empresa, tipo o Level 2, como o pessoal da Apple BR chama o crew da Apple USA. 2. Anote numa agenda ou poste aqui no MacMagazine tudo o que acontecer em tempo real, porque a mente humana é falha com números e datas. E isso é importante pra que possamos dirimir divergência de informação entre cliente e empresa, e principalmente desmentir gente cínica, como eu fiz com a turminha da MacBahia (está registrado no meu post "Mais Uma Da MacBahia". Espero que tudo saia bem com vc. Como vc mesmo está experimentando, nossos casos só servem pra mostrar que o problema é a cultura do nosso país, que destrói até mesmo a reputação de empresas idôneas como a Apple, através do péssimo atendimento de ATs que não vestem a camisa da empresa na hora de fazer o seu trabalho com honestidade e responsabilidade.
  4. CAPÍTULO FINAL Enfim... Já estou com o laptop novo. Desculpem esse tempo todo de ausência, mas é que tudo o que estava atrasado por causa dos defeitos do outro laptop estava sendo atualizado: minhas videoaulas, minha monografia, minha apresentação à banca, e um vasto etc que inclui minhas séries favoritas (Heroes, Lost...). Demorou e todos sabem o quanto a MacBahia atrasou a saída do laptop de lá. Mas finalmente, na manhã de quinta-feira, eles foram literalmente intimados por Juliana (C.R. Apple USA) a entregar a máquina pro meu amigo. Outro Calvário foi tentar enviar o computador novo pra minha cidade (Aracaju). A GOLLOG se recusava a enviá-lo pq não tinha nota fiscal, já que é produto de troca. E os correios mais ou menos a mesma coisa, sendo que mesmo que isso fosse burlado na saída de SSA, ao chegar em AJU a Receita Federal confiscaria como produto de contrabando (e olha que engraçado justamente essa palavra hoje estar associada à MacBahia, ahahah...) Foi o jeito esperar até a madrugada de sábado, quando amigos do meu irmão vieram de carro e trouxeram meu novo filhinho, que na mesma hora já começou a ser utilizado. Uma hora e meia no Assistente de Migração, e esse laptop novo já era a "reencarnação" do meu laptop antigo, com todos os pormenores de instalação de aplicativos, configurações de tudo o que existia na outra máquina, sem tirar nem por (AMO O MACOSX, e sei que vcs tb...) Informei e agradeci a Juliana por tudo e aproveitei pra deixar avisado sobre o envio da máquina antiga. Hoje, quando resolvi entrar aqui no MacMagazine pra postar essas informações, foi que li sobre o mau tempo sobre a MacBahia. Nada mais óbvio do que uma situação como essa, que mostra que na verdade o mau caratismo de uma empresa desce como cascata desde o proprietário até seus empregados mais inferiores. Ao contrário, quando um dono de empresa é honesto, se importa com seu cliente, quando o trata com gentileza e prestatividade, ele automaticamente ensina a cada um dos funcionários que vão se incorporando o quanto vale cada um de seus clientes. O empresário dá o tom da sua empresa. Uma marca de respeito é a própria personificação da austeridade e honradez de seu dono. Isso hoje está provado positivamente com a Apple e ao contrário no caso da MacBahia. Espero que o esforço de relatar esse caso sirva de exemplo para outras pessoas que vierem a ser lesadas por Assistências Técnicas e Fabricantes sobre o que deve ser feito, o que NÃO deve ser feito e o que se pode esperar de seres humanos mal intencionados.
  5. Em tempo, Acabei de enviar e-mail para Carlos Palmieri, Gerente de Suporte e Serviços da Apple do Brasil. Acabei descobrindo que o tal Rafael que citei no post anterior deve-se tratar de Rafael Surcalo, do mesmo setor. Meu Deus, será que esse povo sabe da bagaceira toda e ainda fica passando a mão na cabeça? Vamos aguardar se vai haver retorno do Sr. Carlos Palmieri.
  6. Enquanto eu tento achar uma forma mais adequada de reportar os últimos acontecimentos, me perco pensando na capacidade infinita da MacBahia de lesar seus clientes. Sua criatividade, morosidade, preguiça, incompetência e má-vontade beiram o inimaginável quando se trata de irritar e maltratar as pessoas que dão seu sustento. Vou começar pelos acontecimentos de ontem. Chegou o iPod Touch prometido pela Juliana, do C.R. da Apple nos EUA. Pra quem não se lembra, fui presenteado com esse iPod como forma de desculpas pelo atraso no envio do computador novo. E pra quem não se lembra também, pra facilitar as coisas pra mim e diminuir meu transtorno, Juliana (Super-Juliana) combinou que o envio do mesmo seria pra minha casa, e não mais pra MacBahia, e que depois eu mandaria o laptop velho pra lá. A chegada do iPod me deixou aliviado, porque percebi que o dia da chegada da máquina nova estava próximo. Hoje pela manhã, recebi satisfeito ligação dos EUA: Juliana informando que o computador já estava na MacBahia. COMO ASSIM, NA MACBAHIA? Argumentei com ela que o combinado tinha sido meu endereço domiciliar. Era não lembrava, mas se disponibilizou a repassar o valor de um possível frete pra Aracaju. Então, desde o início da tarde passei a pesquisar uma forma de envio mais rápido da peça pra cá. Meu amigo se ofereceu pra pegar o laptop na MacBahia e levar até a Gollog, que embarcando hoje à noite, estaria disponível na primeira hora de funcionamento da Gol amanhã, a um preço bem em conta. Entretanto, meus caros colegas que acompanham esse Calvário, havia uma pedra no meio do caminho. Ela se chama MacBahia. Seus simpáticos funcionários, representado pelo automático Diego, com quem tratei do assunto hoje, impediram a saída do laptop a menos que o velho fosse entregue lá, o que quebra TODO o esquema de minimização do meu estresse, que foi projetado pela Juliana. Diego me pediu que ligasse mais tarde porque iria consultar a Apple para que fosse autorizada a entrega do computador ainda hoje. Antes de ligar novamente pra Macbahia, mandei um e-mail pedindo socorro pra Juliana . Liguei de novo pra AT, e nova dor de cabeça: O entrave foi sacramentado por um hipotético Rafael, da Apple do Brasil, que consultado pela MacBahia, corroborou a teoria de que uma máquina nova só sai após a entrega da máquina antiga, e não adiantou eu dizer pro Diego que o meu caso era à parte. Até porque com certeza esse teórico Rafael sequer leu a Bíblia que já deve estar o meu protocolo de atendimento. Depois de ter passado mais de meia hora tentando argumentar com os robôs burocráticos da Macbahia, eu desisti e desliguei o telefone, conformado com mais atraso no recebimento do Macbook. Cinco minutos depois, Juliana me ligou perguntando o que tinha acontecido, e expliquei o ocorrido. Prontamente ela informou a MacBahia da sua decisão e autorizou a saída da máquina. Logo depois, chegou um e-mail da MacBahia confirmando a autorização. Resolvido, né? Claro que não. Tudo se resolveu ao final do funcionamento da Assistência Técnica, que fica no mesmo local da loja, no Shopping Salvador. Então, eu havia dito a Diego que deveriam deixar o computador NA LOJA, pra que fosse entregue ao meu amigo. Claro que eles não deixaram, e certamente alegaram todo um compêndio de entraves burocráticos que justificasse isso. Depois de tudo, absolutamente tudo, certo pra que o translado do aparelho fosse feito, essa tinha que ser a chance de ouro pra que a Macbahia conseguisse êxito pela última vez em lesar seu cliente. Meu amigo saiu da loja com mãos vazias, e eu fiquei super constrangido de incomodá-lo para nada. Aliás, estresse e constrangimento têm sido sentimentos comuns à minha pessoa há quase 5 meses por causa disso. Algo me diz que há um quê de proposital nessa onda de "má-vontade" da Macbahia. Eu disse a Diego que todo o assunto que eu tratei com ele estava devidamente registrado em tempo real aqui no MacMagazine, e que meu post era a 4ª mais importante referência do Google ao se digitar a palavra Macbahia. Ele me disse que tinha conhecimento disso. Dito isto, permite a qualquer um que não padeça de miopia intelectual deduzir que é plenamente possível que haja um certo "comportamento padrão" contra clientes exigentes, como forma de se vingarem pela pressão que os mesmos impõem com relação ao atendimento. Sou médico, e trabalho em instituições privadas e públicas e já testemunhei muitas vezes o "comportamento padrão" anti-clientes-exigentes, perpetrado por funcionários de vários setores de hospitais onde trabalho. Eu acho isso lamentável. Se isso for verdade, é um tiro no pé, porque uma vez que haja concorrência com a Macbahia no mercado da Apple em Salvador, uma legião cada vez maior de clientes correrão pra longe dessa loja, que aos poucos vai se tornando um baluarte do mau atendimento baiano, instalada num dos pontos comerciais mais privilegiados e expostos de Salvador: O Shopping Salvador. Não tenho mais o que dizer. Hoje só quero dormir e esquecer esse transtorno por algumas horas, e me preparar pra amanhã de manhã. Eles teriam que entregar o Macbook pro meu amigo até as 10hs da manhã, pra que ele consiga embarcar essa máquina pra Aracaju pela Gollog às 11:00, e eu receberia às 16hs. Vamos ver que satanície vão me aprontar amanhã. A seguir, cenas dos próximos capítulos...
  7. Olá Galera! Estou de volta com novo capítulo da minha Jornada de Ulisses com a Apple/MacBahia. Como eu disse da última vez em que postei aqui, meu caso já não circula mais na pocilga lá do Shopping Salvador chamada MacBahia. Ficou combinado que eu deveria esperar 45 dias para receber a nova máquina na AT mais próxima, que no caso seria a supracitada pocilga. 45 dias se passaram e nada da máquina. Liguei pra Apple e me passaram pra Juliana - a level 2 que cuidou do meu caso no Customer Relationship Support (CR). Juliana bem que tentou argumentar que eram 45 dias úteis (isso não foi especificado na conversa de 17 de dezembro), e não corridos. Depois justificou que houve algum misterioso atraso no envio do lote em que estava minha máquina, e mesmo assim, depois de toda arguição, não adiantou: era nítido o meu descontentamento. Juliana pediu mais alguns dias pra tentar resolver esse impasse, e como prêmio de consolação, me ofereceu um iPod Touch 8Gb. Só me resta agora esperar: já não só por um Macbook, mas agora também um iPod Touch. De qualquer forma, fico admirado pela solicitude dessa empresa, que nada tem a ver com algumas de suas ATs. Veremos. Quando chegarem os aparelhos eu volto a me comunicar com vcs.
  8. Fiquei um tempo afastado tentando absorver a raiva que tem me dado conviver com um computador mudo e aleijado (não tem som, wifi e só uma porta USB, que descobri tem 1 semana). Mas hoje as notícias me motivaram a vir compartilhar com vocês. 3 dias após eu ligar pela últma vez para a Apple Brasil (30/nov), recebi ligação de Juliana, brasileira que trabalha no Customer Relationship Support da Apple USA. Ela me pediu pra contar minha experiência negativa que eu vinha tendo com a AT de Salvador. Contei a ela tudo o que relatei aqui no site, em detalhes. Ela me disse que iria resolver esse assunto pra mim, mas que provavelmente meu computador iria pra asistência técnica novamente. Respondi que de forma alguma eu me submeteria de novo àquilo e ainda mais pelo tempo que eu já havia ficado sem computador. E fui bem honesto e conciso sobre minha intenção: "A menos que eu receba um computador novo, atual, com recursos equivalentes em preço de varejo ao valor que eu investi no meu computador em fevereiro de 2008 (R$6999,90), eu perpetraria uma ação indenizatória pedindo ressarcimento do valor investido no produto, mais o equivalente a R$11.600,00 de danos morais, perfazendo um total de R$18.600, ou o equivalente a 40 salários mínimos, que é o máximo de valor monetário a que se pode recorrer no J.E.C. com advogado. Juliana disse que não sabia se eu teria direito a um computador novo, mas tendo em vista a extrema complexidade de tudo o que envolveu esse caso, ela iria consultar o jurídico dos EUA e do Brasil. Uma semana depois, cerca de 6 dias atrás, ela voltou a ligar pra me informar que não havia esquecido do meu caso, e que só não tinha condições de me passar nada porque o jurídico do Brasil estava abarrotado de pendências a resolver antes de encerrar o ano, mas que me ligaria assim que houvesse uma resposta pro meu caso. Hoje, de presente de aniversário, recebi o parecer da Apple. Ela me ligou agora pela manhã dizendo que iria substituir meu computador por um Apple MacBook Pro 15"; 2,53Ghz, 250Gb, 4Gb RAM. Da minha parte, eu sei que pra eles é irrisório o impacto dessa decisão. Até se for analisar o preço de varejo na Apple Store, visto que esse mesmo computador custa R$1.000,00 a menos do que o que eu paguei pelo meu na época. Mas me poupa o que eu mais queria evitar, que era a briga judicial. Acho que ceder faz parte de acordos judiciais, e eu por ganância, poderia conseguir muito mais que isso, através do dano moral. Mas quem sabe talvez não tivesse direito a ter o valor do produto de volta, já que é fato que já estava fora da garantia, mesmo que estivesse em situação de recall. Estou satisfeito. Ele chega em 45 dias, e até lá vou me virar com o mudinho aqui em casa. Ela ainda me informou que estão estudando o caso em relação ao que aconteceu na MacBahia, para que isso não volte a acontecer. Também, devo dizer que hoje, passada a raiva, não quero o descredenciamento da empresa, até porque o primeiro passo pra melhoria eles já deram, que foi sair daquele muquifo, aquele ninho de rato em que se instalavam, e ainda tinham audácia de se chamar Autorizada Apple. Hoje estão numa sede bem mais apresentável e Apple-Like. Quero que bons técnicos sejam capacitados e que passem a respeitar - RES-PEI-TAR - os clientes sem que esses tenham que peregrinar até a Califórnia com suas queixas para que auditorias sejam acionadas pra resolver essas pendências. No final, quando tudo estiver acabado, todos saem ganhando: o cliente-vítima; o fabricante que não terá sua credibilidade afetada; a AT que se atualizará e sofrerá melhorias obrigatórias; e outros clientes, que não serão submetidos mais a esse estresse que venho passando esses meses todos.
  9. Nossa! Que massa! Mas é uma realidade distante na Bahia isso. No dia em que eu liguei pro técnico da MacBahia pra explicar o que tava acontecendo, relatei o caso igual a uma pessoa descrevendo um gato (tem quatro patas, felpudo, bigodudo e faz miau). Ele disse que só dava pra saber o que era depois de fazer avaliação técnica. Pô, eu como pediatra, se uma mãezinha me liga dizendo que o bebê dela tem febre, coriza, espirros, nariz entupido e irritabilidade, eu não preciso fazer uma avaliação técnica pra ao menos concordar com ela com a suspeita de resfriado. Sabe, isso que me irrita... A má vontade e falta de cortesia. O próprio atendente da Apple Brasil que conversou comigo antes do meu primeiro contato com a MacBahia concordou com a suspeita de falha na placa de vídeo. Até me mandou um e-mail com informações sobre o problema. Com o relato acima bem vemos que trata-se de má vontade por parte de algumas AATT no Brasil, fora a imperícia. Em tempo, hoje liguei pra Apple do Brasil. Atualizei-os sobre os últimos acontecimentos e disse não estar disposto a me expor novamente a deixar meu computador em A.T. nenhuma. Fui bem claro: só não moverei um litígio contra a MacBahia e a Apple se eu for indenizado com a troca do meu laptop atual por um novo com valor de mercado equivalente aos mesmos R$6499,00 que eu paguei em Jan/08. O atendente - Júlio César, todos eles sempre muito educados e compassivos comigo - sugeriu que contactássemos então o Customer Relationship Support (CR) novamente. Só que hoje havia espera superior a 15 minutos no contato, e eu tinha consultas à tarde e não poderia esperar. Fiquei então de resolver isso amanhã. Creio que não serei atendido na minha solicitação, seja por falta de autonomia do pessoal do CR, seja por desconhecimento das leis do consumidor brasileiro. Por isso mesmo que estou muito triste. Sentarei em breve na mesa do Conciliador do Juizado Especial Cível com uma empresa cuja marca eu tanto admiro. Mas se assim tiver que ser pra que fabricante e A.T. aprendam a lidar com o cliente, assim então que seja. Sobre a dica do Ombudsmac, gostei. Vou escrever pra ele e até lhe passo o protocolo da reclamação contra a MacBahia.
  10. Hoje o computador chegou às minhas mãos aqui em Aracaju... Eu sinceramente não esperava muita coisa mesmo, mas o que eu constatei foi pior que o meu próprio pessimismo poderia prever. Estou sem som e sem Airport Card. E agora? Qual vai ser a justificativa da MacBahia pra isso? Jesus Cristo... Eu hoje decidi que vou ao Juizado Especial Cível contra minha querida marca de computadores. Acho muito injusto eu entrar em litígio contra o fabricante nesse caso, quando na verdade toda a merda foi feita pelos funcionários da A.T., que não ligam a menor bosta pra Apple. Eles estão pouco se importando com a empresa pra quem trabalham. Deverei então pedir o valor da produto acrescido de dano moral. Tudo isso pra acabar comprando outro computador da Apple, pois Macintosh é uma paixão pra um aficcionado em eletrônicos como eu. Mas uma certeza eu tenho: jamais enviarei qualquer outro produto meu com defeito pra Bahia consertar. O Norte e o Nordeste brasileiro carece muito de gente especializada e responsável. São pessoas muito descansadas, e eu digo isso como nativo da região Norte, que não é muito diferente. O Mastter aí acima tem razão em dizer que o problema é cultural. Então fazer o que, né? Só estaremos livres se nos exilarmos pra Europa. Minha sorte está lançada. É menos mau que ao menos consiga plugar meu computador na porta Ethernet do roteador. Pelo menos vou poder fazer minhas coisas enquanto a causa é julgada. Volto a informar a todos sobre o desenrolar dessa novela.
  11. Mastter: de fato, eu postei errado. Adquiri o MacBook em Fev/2008. Por isso é que não conto mais com a garantia, e me vali do recall pra substituição da placa-mãe. _____________________ EM TEMPO Ontem à tarde liguei pra Apple novamente, passando as últimas "boas novas". A atendente, a simpática Suely, recebeu com espanto a notícia sobre o "engano" do pessoal da MacBahia sobre a entrega do MacBook ontem. Desabafei com ela toda a minha frustração sobre esse assunto, a que ela se solidarizou e se prontificou a tentar resolver o que desse. Pra tanto, ligou pra MacBahia pra saber exatamente em que pé estava a situação. Encontrou uma A.T. sem gerente, sem o responsável técnico pelo laptop, e apenas com um técnico - Diego - que não sabia absolutamente nada relevante pro caso. Através dele, Suely descobriu que até ontem, 19.11.2009, o topcase não fora ainda solicitado pela A.T.! Quando eu penso que cheguei ao fundo do poço, acontece ainda mais coisa. Antigamente, quando eu lia sobre as mazelas e as jornadas épicas que os usuários relatavam sobre seus problemas com AATT, achava até meio fantasioso, meio exagerado. Hoje, vítima também, eu consigo enxergar com clareza qual o resultado de uma conta que adiciona negligência e incapacidade técnica, e multiplica isso por um valor alto de descaso. Dá exatamente a MacBahia. Suely ficou tão chocada com toda a situação que se prontificou a fazer uma notificação sobre o caso para o setor responsável pelas AATT no Brasil, e recomendou no processo que seja feito o mesmo para Cupertino, CA, caso a AT não mude sua conduta. Disse-me que na escala de sanções possíveis, a AT poderia até ser descredenciada pela Apple. Ainda ao telefone com a MacBahia, Suely fez Diego prometer que iria entrar em contato comigo até o final da tarde de ontem. Recomendou-me que, caso não ligassem ontem, eu deveria entrar em contato hoje com a Apple novamente, para informá-los do não cumprimento da solicitação da Apple do Brasil à AT. Dentro de poucos minutos vou ligar pra lá pra Apple, pra ver no que isso dá.
  12. Enquanto isso, em Salvador... Passei esses últimos 13 dias sem contato com eles pra não me gerar expectativa ou aumentar a raiva com a eficiência dos caras da MacBahia. Ontem resolvi ligar pra lá. Após muitas perguntas pra um, pra outro, finalmente a atendente me disse que o responsável pela A.T. avisara que o laptop estava pronto, e que eu poderia passar lá pra pegar. Como eu não moro em Salvador, tive que pedir ao meu amigo que comparecesse à A.T. pra pegá-lo. Só hoje ele pôde ir até lá. E ao chegar, disseram a ele que haviam-se enganado, que meu laptop AINDA NÃO ESTAVA PRONTO, e que talvez alguém lá tenha-se confundido e dito que o reparo da placa de vídeo estava pronto (o primeiro conserto), e que o teclado AINDA NÃO HAVIA CHEGADO, e que provavelmente só na semana que vem sua substituição seria concluída. Meu Deus... A falta de compromisso de qualquer grupo de trabalho no trato com seus clientes, resulta na clara impressão de que cada uma de suas más ações, resultado de falta de planejamento, dedicação e educação, são propositais. Uma situação dessa, pra uma pessoa menos provida de inteligência emocional, é pra causar uma síndrome de perseguição pelo simples fato de que é impossível conceber tantas desventuras em série. Estou congelado na dúvida se deixo esse laptop de lado e parto pra restituição do valor pago por ele acrescido dos danos morais causados esse tempo todo, ou se espero um pouco mais pra receber meu computador de volta consertado, com minhas informações preservadas no HD e me poupo da dor de cabeça do processo... Quem vale mais: o dinheiro mais a lição para a A.T. ou as informações mais o estresse poupado?
  13. Supertek, engraçado vc citar que o seu mac teve problema na barra de espaço, pq o meu logo que eu comprei, teve também... Passou uns 20 dias me obrigando a fazer força pra que ele funcionasse, e do nada o problema acabou e nunca mais voltou. Nunca entendi o que aconteceu. Mas ainda bem que se resolveu sozinho. Sobre a MacInRio, soube dela agora por esses dias, aqui no fórum. Ah, se eu soubesse antes. Teria sido melhor arriscar lá do que na MacBahia, cuja reputação já sei que é ruim...
  14. Olá a todos do MacMagazine. Resolvi me registrar no fórum pra deixar registrada minha indignação com o atendimento da assistência técnica autorizada da Apple na Bahia, a MacBahia. Tenho um MacBook Pro 15" adquirido em Fev/09, que há 60 dias começou a apresentar ocasionalmente falhas da formação de imagens na tela. 1 semana depois, o primeiro apagão: o monitor deixou de exibir qualquer sinal de imagem, sendo que todo o resto funcionava perfeitamente. Eu conseguia tatear pelo teclado e desligá-lo, reiniciá-lo, digitar minha senha e entrar no sistema, e inclusive acessar alguns apps na barra de atalhos inferior com o trackpad. 4 dias depois eu voltei a ligá-lo e lá estava o danado funcionando como se nada tivesse acontecido. Minha alegria durou pouco. Menos de uma semana depois, o apagão da tela voltou, dessa vez pra ficar. Fui pesquisar na internet sobre o problema e tive a impressão de que o problema se encaixava no mesmo que grande parte dos usuários com mesma queixa que eu. A NiVidia 8600GT 128Mb era a suspeita. Dia 30 de setembro entrei em contato com a Apple do Brasil, que abriu protocolo de atendimento e registrou minhas queixas acima. No mesmo dia liguei pra MacBahia informando que mandaria em breve meu laptop para lá e fiz algumas perguntas de ordem logística sobre como enviar o computador, endereço, etc. A gentileza já começou ali. O atendente parecia estar com pressa e mau humor, pois respondia rispidamente como se estivesse falando com um imbecil enchendo seu saco. Ao citar minha suspeita sobre o problema na placa de vídeo, ele respondeu: "Senhor, primeiro sua máquina terá que passar pelo diagnóstico, pra só então se especular qualquer coisa. Mais alguma coisa, Sr.?" Diante daquele tom de voz enfático do tipo " tô de saco cheio de você", resolvi desligar o telefone. Só pude enviar a máquina para Salvador através de um amigo no dia 12 de outubro, e por volta do dia 14 ou 15, deu entrada na MacBahia. Demoraram 2 semanas pra receber a placa mãe de substituição pelo recall, dando 72hs úteis para entregar a máquina. 96hs se passaram, e ONTEM informaram que fora detectado falha no teclado e trackpad, que segundo eles não estava funcionando na nova placa mãe, e que a mesma, testada em outro computador, fazia todos os periféricos funcionarem perfeitamente. "Muito eficientes e prestativos" já anteciparam que a substituição das peças custaria R$600,00, sendo que R$300,00 teriam que ser adiantados. Oh, sim! Meu computador entra com um problema de vídeo e sai com um de teclado. Fiquei revoltado. Lembrem-se que lá em cima eu disse que mesmo com a tela preta, eu conseguia digitar senha e acessar apps com o trackpad. Eles estavam funcionando 100%. Liguei para a Apple do Brasil para atualizá-los sobre o que estava acontecendo na A.T. Fui atendido pelo simpático Celso, que se prestou a resolver meu problema, chegando a me colocar em conferência com Erick, seu Level 2 Tech Support em Cupertino, CA. Erick me pediu pra relatar meu caso, e ao ouvir minha queixa sobre a assistência técnica, respondeu que provavelmente o keyboard & trackpad já estavam funcionando mais ou menos, e o problema finalmente fora revelado na troca da placa mãe. Eu respondi que ambos funcionavam perfeitamente, e que eu tinha certeza que o problema surgira na assistência técnica. Ele perguntou então o que me fazia pensar que o problema teria surgido dentro da AT. Respondi que ambos funcionavam 100% antes de entrar lá, e que eu nunca percebera nenhum sintoma dos dois que me fizesse pensar que estavam com problemas. De quebra, perguntei q ele o contrário, o q o fazia pensar que o problema NÃO SURGIRA DENTRO DA A.T. Ele respondeu que todos os empregados das Apple Service Provider passavam por extensivo treinamento antes que lhes fosse permitido abrir um Mac. Repliquei que ele precisava visitar a MacBahia pra ter certeza disso... Erick disse a Celso que o problema não era técnico, e sim de relacionamento com o cliente, e que Celso deveria acessar o Customer Relationship Support. Ele assim o fez e pouco tempo depois de relatar o caso, foi autorizado (sem xurumelas) o reparo do teclado & trackpad. Imediatamente liguei, já às 17:30hs, para os extensivamente bem treinados empregados da MacBahia e avisei sobre a resolução de Cupertino. Responderam-me que hoje pela manhã iriam confirmar a autorização. Já fiquei irritado porque isso me disseram ontem que iam resolver hoje de manhã. Antes de fechar esse post, liguei agora há pouco pra lá novamente e disseram que já fizeram o pedido da peça e que irá demorar 10 a 15 dias!!! (Eu mereço... Dívidas de encarnações passadas, provavelmente... Ahahah...) Até tentei ligar pra Apple do Brasil agora, pra confirmar a verdade, mas já terminou o expediente. Agora é sentar e esperar. Me preocupa muito isso tudo que tá acontecendo. A reputação da MacBahia é péssima e só piora com os anos, conforme as reclamações de clientes vai aumentando. Estou rezando pra tudo dar certo e eu não tenha que mover o aparelho judiciário pra resolver essa pendência. (Nossa, escrevi demais. Desculpem...)
×
×
  • Criar Novo...